Tomando café com um barista

Tomar café precisa ser uma experiência completa. E, convenhamos, conseguir tal virtude é uma arte.

Por mais corriqueiro que possa vir a ser tomar café, alguma hora da vida, todo mundo precisa ter oportunidade de apreciar a bebida de forma realmente completa, aguçando não apenas o paladar, mas todos os outros sentidos disponíveis.

Diz um ditado que quando o discípulo está pronto, o mestre aparece. E foi exatamente isso que me aconteceu essa semana.

Imagem de uma pequena cafeteria, com algumas mesas, quadros na parede de utensilios de cozinha antigos, um balcão ao fundo com uma maquina de café espresso. O barista está sentado em frente ao balcão, usando um computador.

Vista interna da cafeteria

Por acaso, precisei mudar de casa e vim parar em outro bairro, saindo daquele onde eu morava havia 16 anos. Próximo da minha casa nova existe uma pequena e belíssima cafeteria que despertou meu interesse, visto que uma plaquinha em frente anunciava uma seleção de cafés especiais importados de diversas partes do mundo. Seria praticamente impossível resistir a tal apelo, não é mesmo?

A princípio, entramos lá sem pretensão nenhuma, além de experimentar alguns bons cafés. Mas, descobrimos que não era apenas uma cafeteria qualquer, mas uma desses achados que merecem ser divulgados à exaustão, pois tratam-se de vários tipos de cafés de origem preparados por um barista competente e simpaticissímo, diga-se de passagem.

Cada um de nós (éramos três pessoas) pediu um café diferente e experimentamos todos.

O primeiro à chegar a mesa foi o de origem da Ruanda. Suave e levemente ácido.

Logo em seguida, pudemos experimentar um da Costa Rica, encorpado e que facilmente cairia nas graças de quem gosta de “café à paulistana”, desses que logo no primeiro gole, você se sente tomando um café de verdade.

Imagem de uma pequena lousa, com nomes dos países de origem dos cafés, bem como o preço da xícara.

Lista dos Cafés de Origem

O colombiano era médio, nem muito forte nem muito suave, com gosto amadeirado que melhor combinou com uma pequena colher de açúcar.

Por fim, nesta primeira (de muitas) visita, experimentamos o café de origem Cumbre (Bolívia): aveludado e adociado, que dispensa qualquer adição de açúcar, mesmo às formigas de plantão.

Mas, a experiência foi completa não apenas pelos cafés em si, mas pelo preparo por um profissional, que tem a maior paciência de sugerir e explicar sobre cada café e que finalizou a visita com um chá adorável de menta e açúcar caramelado.

A casa também oferece mais alguns cafés de outras origens, incluindo o famoso e curiosíssimo café Kopi Luwak, produzido a partir do grão de café não-digerido pelo civeta, um mamífero que lembra vagamente um gato selvagem. Este café é produzido na Indonésia e Filipinas. O nome significa (Kopi) Café em indonésio e (Luwak), o nome local do civeta.

Confesso que, desta vez, não experimentei o Kopi Luwak porque, segundo o barista, é muito suave, comparado aos que já havíamos provado e o gosto ficaria mascarado.

imagem de uma amostra do café especial kopiluwak dentro de um retangulo de resina, com um desenho do civeta ao lado.

Para quem tem curiosidade de saber sobre o Kopi Luwak, nada como uma explicação visual

Imperdível!

Beijinhos

Lak

Se você gostou, leia também:

12 respostas a Tomando café com um barista

  1. Greize disse:

    Fui procurar seu café.E cai aqui..rsrs.Temos uma paixão em comum.Adoro caféee tb!!!Mineiros adoram!!rs
    Que legal esse post, se tivesse um perto da minha casa , nesse frio seria tentação dupla.
    Ah!Sobre o o café Kopi Luwak, descobri sobre ele no filme: Antes de Partir,um dos personagens(grande Jack Nicholson)rico tomava direto, mas não sabia de onde vinha.Hilário quando ele descobre.
    Bom..são 16:38, quase na hora do meu cafézinho da tarde.Rsrs.Bjos

  2. Deni disse:

    Também quero ir nessa cafeteria!!!

    A minha preferida aqui em curita, é tipo uma mercearia, onde a dona mesmo te atende! E vou sempre com um cappuccino de ovomaltine… meio enjoadinho sei, mas nada como um espresso em cima depois!

    bjs,

    • laklobato disse:

      Vamos vamos? Te levo quando você vier a SP.
      Mas, ai em Ctw, tem uma ótima, a Lucca! Adoro!
      Beijos

      • Deni disse:

        A Lucca é pertinho da minha casa! Adoro o café deles, mas acho o ambiente da cafeteria muito ruidoso, tem sempre muita gente, enfim… gosto de lugares mais intimistas.

        E já sei o que te levar quando for aí! 😉

        bjin

        • laklobato disse:

          Ah, pelo menos na loja do Batel, eu curti muito… mas tb porque fomos tarde da noite… acho que era umas 22h30 já… estava vazia… foi bem gostoso, viu?
          Beijos

          • Deni disse:

            Hehehe… essa mesma! na real é point dos antenadinhos aqui, por isso, sempre cheia!

          • laklobato disse:

            Faz muito tempo que fui (tipo 4 anos). Eu casei na louca e a nossa lua-de-mel foi apenas 1 semana tirada de improviso, então fomos até Floripa de carro. Mas nos apaixonamos mesmo foi por Curitiba.
            Beijos

  3. Silvia disse:

    ommmmmmgggggggggg
    Já tem um lugar pros encontros do DNO!!!!!!!!!!!!!

    UI….

  4. Lia Ganiko disse:

    Olá Lak !!
    Adorei esse novo blog !!! Também gosto de café !!
    Tem uma dica, que vale mais como passeio do que pelo próprio café (apesar de ser bom tbm. É Nespresso)…
    Como trabalho no centro de SP, conheci um café que fica dentro do Teatro Municipal !!!
    Eles servem almoço (um pouco “salgado” para o meu bolso: R$ 40,00 por pessoa), mas como falei, vale o passeio pelo centro de SP.
    Bjs

    • laklobato disse:

      Opa, acho a dica ótima! Não sabia que havia almoço no café do Teatro Municipal. Gostei! Vou querer fazer esse passeio um dia hehe
      Beijos e obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *